Meu filho Bruno, hoje com 18 anos sofre desde os 4 e nunca recebeu diagnostico. Ele nunca conseguiu ficar sentado como as demais crianças. Nunca pode participar das atividades ao ar livre porque representava perigo para si próprio e para os Demais. A vida acadêmica sempre foi tumultuada, cheia de advertências, suspensões e muita humilhação, paga-se inclusive pelo que não fez mesmo não estando presente.As notas a muito deixaram de ser excelentes hoje são só frustrações. Já fui convidada a tirá-lo da escola particular e na escola pública, mudaram de turma e turno diversas vezes. Há dois anos ele não consegue terminar o 1º Ano. Ano passado desistiu do Instituto Federal por dificuldade de se concentrar, de permanecer sentado, de cumprir regras e tumultuar a aula. Não consegue terminar um curso, ou permanecer empregado. Tem recorrido ao álcool e ao tabaco. Fuga ou pedido de socorro? Acusam-me de não saber impor limites. Eles não sabem como me sinto, abandonei faculdade, carreira, os amigos, os familiares, fiquei depressiva. Falta à sociedade o devido conhecimento para que se preste o socorro.